Enorme impacto ambiental dos sacos plásticos no planeta

Campo Grande (MS):  De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), são necessários, pelo menos, 450 anos para que uma garrafa de plástico se decomponha e desapareça do meio ambiente. A poluição causada pelo descarte de objetos de plástico é um dos grandes desafios da atualidade.

Na ultima década foi produzido  mais plástico do que em todo o século passado. Todos os anos, são utilizados 17 milhões de barris de petróleo para produzir garrafas plásticas. No total 50% são utilizados em um única vez, em todo o mundo, 1 milhão de garrafas plásticas são compradas a cada minuto. “Nosso amor pelos plásticos descartáveis ​​tem um efeito colateral tóxico”, afirmou o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim.

Todos os anos usamos até 500 bilhões de sacolas plásticas descartáveis. Os dados são assustadores, principalmente se levarmos em conta que a taxa média global de reciclagem destes produtos é de 25%. Isso significa um volume enorme de lixo plástico descartado nos oceanos. Estima-se que pelo menos 8 milhões de toneladas vão parar nos mares todos os anos, onde sufocam os recifes de corais e ameaçam a fauna marinha.

E O QUE FAZER?

Está nas mãos da humanidade diminuir esse impacto. A saída mais saudável é você, aliás, somos todos nós mudarmos hábitos que nos acompanham há muitos anos. Pode não parecer lá muito fácil… mas é!

Quando for ao mercado leve suas compras em sacolas retornáveis ou caixas de papelão, adotar uma sacola retornável ou outra alternativa são ações típicas do consumidor consciente. Reduzir o consumo de sacolas plásticas é só o começo de uma sociedade mais sustentável.

O  Dia dos Namorados é a próxima data que movimenta o comércio e consequentemente muitas sacolas plásticas vai entrar em circulação, a ONU incentiva  as pessoas a romperem com as garrafas descartáveis, canudos, utensílios e sacos plásticos e ajudar a conter a maré de plásticos que invade os oceanos”. Assista o vídeo.

 

 

Da redação

Priscilla Limeira

Informações : ONU, Ministério do Meio Ambiente e rádio agência nacional.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here