Odilon lembra de Wilson, Ramez e não cita Puccineli ao receber apoio de MDB

Campo Grande(MS)  – Junior Mochi presidente regional do MDB confirmou que já  havia sido  anunciado, pelo deputado Paulo Siufi   na sessão ordinária desta  quarta feira dia 10 na casa Legislativa a de que,  depois de uma reunião feita na segunda feira dia 8 na sede regional do partido, com grande parte dos filiados,  foi decidido  pela  maioria, mais de 85% dos emedebistas, em apoiar a candidatura do Juiz aposentado Odilon de Oliveira(PDT)  no disputada pelo governo do Estado neste  segundo turno.

Junior Mochi disse ainda que , existem emedebistas que preferem apoiar o Tucano Reinaldo Azambuja(PSDB) que tenta  a reeleição, e que a direção da legenda libera os filiados,  e que o apoio é da Executiva regional do MDB. Participaram da solenidade de anuncio a candidatura de Odilon os deputados Siufi, Márcio Fernandes, Renato Câmara, Junior Mochi e o senador derrotada no primeiro turno , Valdemir Moka, a senadora Simone Tebet não esteve na solenidade.

Odilon Agradeceu o apoio dos emedebistas e disse que agora tem como certa a vitória para assumir o governo; Contrariando o que sempre pregou, a  lisura e ficha limpa, o Juiz disse que fecha acordo com integrantes de bem, nos quadros do partido e citou, figuras importantes que deixaram legados na agremiação  como,  o ex  governador Wilson Barbosa Martins e o falecido senador da republica Ramez Tebet.  Em uma situação de desconforto, não houve pronunciamento acalorado de nenhum   dos integrantes do MDB.

Odilon de Oliveira, destacou e valorizou um MDB  histórico,  de honestidade, transparência, lisura e respeito ao gasto do dinheiro Público. Fez elogios ás ações e a trajetória do partido. Mas em Nenhum momento lembrou se de um dos maiores líderes ainda vivo, do MDB o ex  prefeito e ex  governador André Puccineli, que continua preso em Campo Grande. Acusado de  desvio de dinheiro.

Odilon ainda contrariando afirmações anteriores durante sua campanha, e descumprindo o que decidiu a direção Nacional do PDT, anuncia  que apoia o candidato Jair Bolsonaro(PSL) a presidência da Republica e que,  sabe da decisão de Carlos Luppi e Ciro Gomes que sinalizam apoio a Haddad(PT) na disputa pela presidência da república.

O candidato aproveitou para comunicar que João Leite Schmidt,  homem de peso dentro do PDT, não coordena mais sua campanha. A justificativa é de que João está de  “ idade”  e não pode mais cuidar de agenda de Odilon que agora será mais movimentada, por causa do apoio do MDB. A coordenação agora será de Odilon Junior, filho do candidato.

João Flores Junior

Foto Rádiowebms.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here