OUÇA: Ex aliado se diz usado por Bernal e diz que investigação do Gaeco é incompleta.

Campo Grande(MS) – Vereadores querem ação por causa de  possíveis ilações que levaram o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) a deflagrar a Operação Coffee Break, que investiga se houve corrupção de parlamentares no processo de cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Um ex-aliado do prefeito esteve na  Câmara  no ultimo dia de sessão e  denunciou que pepista “manipulou, maquiou e usou de seu conhecimento advocatício para obter êxitos. O jornalista,  Carlos Roberto Pereira disse que era amigo de Bernal e, quando o então prefeito já estava cassado, assinava documentos e procurações a pedido dele, depois descobriu  que a papelada era usada em denúncias e ações para  anular a cassação. Também contou que foi um dos autores de denúncias ao Gaeco sobre supostas ilegalidades na queda do prefeito. Segundo Pereira, às vésperas da cassação Bernal “chantageava três vereadores” a votarem em seu favor. Não citou nomes. Carlos Pereira denuncia que Bernal foi malandro.

Pereira disse que houve falha no relatório final do Gaeco. Que segundo ele não investigou como Bernal em 12 meses recebendo R$ 16 mil por  mês comprou uma mansão de R$ 3 milhões.Com documentos, os Vereadores pediram que a mesa diretora promova medidas  com relação às afirmações do ex-aliado de Bernal. Semana passada, o Gaeco emitiu nota garantindo não ter havido direcionamento nas investigações da Coffee Break para um ou outro interessado no processo. Ouça a reportagem da Rádiowebms;

 

João Flores Junior

Foto; Fabíola Camilo/ MS Noticias.