Pela primeira vez Justiça acata pedido de crime de ódio no Estado

Campo Grande(MS)  – O caso aconteceu em 30 de setembro de 2018, no auge da campanha #elenão, contrária a Bolsonaro. Em uma postagem, um jovem contrário ao então candidato do PSL relatou uma um episódio vivido quando tinha 10 anos.  O empresário Rafael Brandão Scaquetti Tavares, 34 anos, morador de Campo Grande, foi denunciado pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul por crime de ódio após postagens em suas redes sociais na qual dizia, entre outras coisas, que montaria um grupo “para caçar gays, negros, japoneses e índios” após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência, no ano passado.

Na denúncia, o Ministério Público ressalta que os grupos citados na postagem do empresário – negros, índios e LGBTs – sofreram grandes ameaças durante o período eleitoral em 2018. Também destacou que há elementos suficientes para oferta da denúncia. O crime de praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, cometido por intermédio dos meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza, prevê pena de reclusão de dois a cinco anos e multa.

Defesa/ Por meio de suas redes sociais, Tavares repostou um vídeo se desculpando pelas postagens que havia publicado dias depois do caso ganhar notoriedade em Campo Grande, ainda nas eleições.

“Não vou dizer que me pegou de surpresa essa acusação porque eu já esperava esse tipo de ataque dos meus adversários políticos. Foi um comentário que atacava os eleitores do Bolsonaro como violentos e eu respondi ironizando a postagem de um amigo, onde todos ali no contexto da conversa, entenderam a figura de linguagem irônica. Alguém recortou somente o meu comentário, tirando de contexto a conversa, e de forma oportuna estão tentando me prejudicar com essa fake news. Ainda não fui citado nessa ação e pretendo esclarecer o mais breve possível esse mal entendido”, disse, em uma mensagem repassada a veículos de imprensa de Campo Grande.

O processo ainda está na fase inicial, onde o acusado e testemunhas são convocados para futura audiência de instrução.

Da redação

foto Rede Social.