Desembargador do TJMS é intimado e dar explicações sobre soltura de criminoso

Campo Grande(MS) – Na quinta feira dia  23 de abril, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, instaurou pedido de providências para apurar o habeas corpus que concedeu a Gerson Palermo a prisão domiciliar. Depois de receber o beneficio o criminoso levou  8 horas até romper a tornozeleira  e   fugir na semana passada. O ministro Humberto quer  providências,  do  desembargador Divoncir Schreiner Maran do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul)  que foi  intimado para prestar informações sobre os fatos no prazo de 15 dias.

O desembargador Schreiner teria garantido prisão domiciliar a Gerson Palermo, em razão de o detento ter mais de 60 anos de idade e se enquadrar no grupo de risco da Covid-19. A medida, de acordo com a decisão liminar, estaria de acordo com a Recomendação 62/2020 do CNJ, no sentido da adoção de medidas preventivas à propagação da infecção pelo novo coronavírus.

Gerson Palermo cumpre pena por tráfico de drogas e outros crimes graves, com penas de mais de cem anos. No dia 22 de abril, o TJMS chegou a revogar a liminar concedida, sob o entendimento de inexistir qualquer laudo pericial atestando enfermidades ou debilidade do preso, bem como de o estabelecimento prisional não se encontrar com excedente de lotação. Palermo, no entanto, já havia fugido, com mandado de prisão expedido no dia seguinte (23).Gerson Palermo, apontado como chefe de célula do PCC que operava tráfico internacional de cocaína, se apresentava como comerciante informal de luxo para venda de aeronaves e caminhões. Além disso, contava com rede de falsários para executar desvio de bens e lavagem de dinheiro.

Da Redação