Ouça: Justiça foi machista, torturadora e condenatória com vítima de estupro

Campo Grande(MS) – Desde terça feira, dia 3 de novembro, da semana passada que o caso Mariana Ferrer  ganha cada vez mais força para que seja feita justiça em um caso que aconteceu em 2018 e teve julgamento online pela Justiça do Estado de Santa Catarina.

 O CNJ, Conselho Nacional de Justiça, e o  Tribunal de Justiça Catarinense e  a OAB pediram abertura de investigação para saber da  conduta de um advogado, e um juiz.

A injustiça foi descoberta depois que parte do julgamento foi publicado pela pagina do intercept Brasil. O empresário André de Camargo Aranha é acusado de ter estuprado a promoter durante uma festa em Santa Catarina ele foi absolvido em primeira instancia por falta de prova.

Durante o julgamento o advogado do empresário, Claudio Gastão Rosa Filho, apresentou fotos sensuais de Mariana Antes do crime e questiona a vitima o motivo dela ter apagado as imagens nas redes sociais. O Juiz Hudson Marcos da terceira vara criminal de Florianópolis afirma que a sessão poderia ser interrompida para que Mariana pudesse se recompor, a vitima critica a postura do advogado.

A OAB de Santa Catarina recebeu informação do encerramento do caso no mês de setembro, o presidente da OAB Catarinense, Rafael Horns, explica quais punições podem ser aplicadas no caso

Em nota, Ministro,  Gilmar Mendes do STF  disse que as cenas são estarrecedoras e que o ambiente de justiça deve ser de acolhimento e jamais de tortura e humilhação. Gilmar também pediu investigação sobre o caso. Ouça a reportagem

Da redação