Ouça; Isolamento melhorou alimentação de adolescente aponta estudo

Campo Grande(MS) – Estudo mostra que o confinamento em casa fez os adolescentes brasileiros, com idades entre 10 e 19 anos, diminuírem o consumo de fast foods. Muitos passaram a comer mais legumes e hortaliças. A média de ingestão dos alimentos mais saudáveis ficou em cinco porções por semana, acima do consumo verificado por jovens da mesma faixa etária da Espanha, Chile, Itália e Colômbia.

 As  mudanças de hábitos estão no estudo sobre o consumo de alimentos durante a pandemia,  feita  no Brasil e em quatro países. O levantamento foi conduzido pela Fundação Oswaldo Cruz e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mas nem tudo foi positivo. Isto porque a ingestão média de alimentos fritos e doces aumentou muito durante o confinamento. O consumo de hortaliças e frutas também cresceu no grupo pesquisado. Os dados é  para mostrar como o isolamento durante a pandemia de covid-19 afetou a alimentação, especialmente adolescentes, que são altamente propensos a adquirir maus hábitos alimentares. Sílvia Soares, pedagoga e mãe de quatro filhos, sendo três na faixa etária da pesquisa, ela lembra que no início da pandemia a família deixou de consumir produtos industrializados e que os fast foods foram banidos

Para a pesquisadora da Fiocruz, Letícia Cardoso,  os resultados confirmam observações anteriores que sugeriram que o confinamento poderia levar a padrões alimentares irregulares e lanches frequentes em adolescentes devido ao tédio e estresse

Para ela, é importante destacar também que os  hábitos alimentares estão associados a uma maior ingestão calórica e a um maior risco de obesidade e outras doenças crônicas no futuro como diabetes e problemas cardiovasculares. Os dados foram coletados por meio de questionário anônimo sobre ingestão de alimentos entre 820 adolescentes da Espanha, Itália, Brasil, Colômbia e Chile.

Da redação

Foto Getty Imagens